Translate

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

CONFERÊNCIA DE BERLIM


CONFERÊNCIA DE BERLIM
Teve o seu ício ontem (15/11/1884). Hoje, 134 anos depois, achei por bem, evocar o seu aniversário. Participaram na Conferência, presidida pelo alemão Otto Von Bismarck a Alemanha, França, Espanha, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Itália, Suécia, Império Otomano, Áustria, Hungria. O encerramento da Conferência de Berlim, deu por findos os trabalhos em 26 de Fevereiro de 1885. Tinha em vista a partilha do Continente Africano, não respeitando Culturas, Etnias nem considerando que a destruição ou desagregação cultural de um povo pela força é como que uma agressão à natureza e pode causar danos e desequilíbrios tais, que produzirão, a médio e longo prazo, efeitos devastadores.
Em causa, estavam a posse e a busca de matérias-primas para as potências emergentes da Revolução Industrial do SÉCULO DEZANOVE. Entre outros aspectos, em cima da mesa estava também o célebre "Mapa Cor-de- Rosa", defendido por Portugal e mais tarde (1890) foi vilmente desrespeitado pelo "aliado", então presente na Conferência (Grã- Bretanha) e daí "nasceu o que é hoje o HINO DE PORTUGAL , a que mais tarde, mudaram uma palavra (no derradeiro verso) BRETÕES por canhões. PIM.

ARFER

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

TERRAMOTO DE 1755

 

O TERRAMOTO! – AS IMAGENS !

Estava Sebastião José de Carvalho e Melo empenhado em transformar Portugal, quando pelas 09H00 da manhã do dia1 de Novembro de 1755, “DIA DE TODOS OS SANTOS” um violento Terramoto atinge todo o Sul da Península Ibérica, seguido um Maremoto. A TERRA tremeu,  LISBOA caiu com estrondo com os fortes abalos. Depois incendiada pelas velas acesas em louvor  aos santos e por fim invadida por ondas gigantes, de mais de 20 metros, produzidas pelo maremoto. Diziam, então, os que evocavam os SANTOS,  que foi castigo divino para o governo de então. Nada disso, o acontecimento ecoou por toda a Europa. No dia seguinte (2 de Novembro de 1755) Já o enérgico alfacinha, nado e batizado na Freguesia das Mercês, mobiliza o Exército e a polícia, manda "tratar" da "saúde" à bandidagem que pilhava na cidade destroçada e trata de iniciar o processo de reconstrução de Lisboa. Eugénio dos Santos e Manuel da Maia, tiveram o privilégio de traçar a planta da nova Cidade. Esta atitude, perante a tragédia, teve um impacto político e sócio económico que elevou o GOVERNO de então, a exemplo de toda a Europa (repito) . LISBOA ressurgiu das cinzas, o que hoje (SEC XXI) ainda, nos é permitido admirar.                                                                                                        No último quartel do SEC XVIII, foi “fenómeno” intensamente abordado e inspirador da Filosofia ILUMINISTA de que lembro a figura de VOLTAIRE.
ARFER

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

BERTOLT BRECHT


De Bertolt Brecht
“SE OS TUBARÕES FOSSEM HOMENS”

Se os tubarões fossem homens, perguntou a filha da sua senhoria ao Senhor K., eles seriam mais amáveis com os peixinhos?
Certamente, disse ele.
Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos com todo tipo de alimento, tanto animal como vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca, e tomariam toda espécie de medidas sanitárias.
Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, então lhe fariam imediatamente um curativo, para que ele não morresse antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem melancólicos, haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes.
Naturalmente, haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas, os peixinhos aprenderiam como nadar para as goelas dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar.
O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura.
Os peixinhos saberiam que esse futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo, os peixinhos deveriam evitar toda inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista, e avisar imediatamente os tubarões, se um dentre eles mostrasse tais tendências. Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões.
Os peixinhos – eles iriam proclamar – são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não podem se entender. Cada peixinho que na guerra matasse alguns outros, inimigos, que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia o título de herói.
Se os tubarões fossem homens, naturalmente haveria também arte entre eles. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores soberbas, e suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos tubarões, e a música seria tão bela, que a seus acordes todos os peixinhos, com a orquestra na frente, sonhando, embalados nos pensamentos mais doces, se precipitariam nas gargantas dos tubarões.
Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Além disso, se os tubarões fossem homens também acabaria a idéia de que os peixinhos são iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os menores. Isto seria agradável para os tubarões, pois eles teriam, com maior freqüência, bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores, detentores de cargos, cuidariam da ordem entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, construtores de gaiolas, etc.
Em suma, haveria uma civilização no mar, se os tubarões fossem homens.
Bertolt Brecht (1898-1956) reuniu na obra Histórias do Senhor Keuner, em 1932, parábolas escritas com humor e ironia, satirizando o comportamento da sociedade.

domingo, 21 de outubro de 2018

MAÇÃ ~DIA MUNDIAL


21 de Outubro - Dia da Maçã

Nos versículos escritos em “tabletes” de argila, na  antiga SUMÉRIA, consta que a “dita”, por ser tão chamativa e apetitosa, deu origem ao pecado original, que deu azo à procriação compulsiva.PIM!  
E agora, o PORQUÊ da coisa:

O Dia da Maçã, foi instituído pela Associação Common Ground, em 1990, a 21 de Outubro, uma iniciativa para promover o consumo desta fruta e dar a conhecer as suas propriedades medicinais.

 As propriedades das maçãs são numerosas; o seu nome latino “pomum” significa “fruto” e para os antigos significa  o fruto de excelência.

 E o que têm as maçãs para serem um fruto consumido desde há cerca de 20.000 anos e que as crenças populares as consideram uma excelente prevenção?

 Fonte de fibra que regula o trânsito intestinal.É um clássico remédio contra a prisão de ventre. 

Contem pectina, fibra solúvel com boas propriedades digestivas.

Limpa o organismo de resíduos. É útil em casos de artrites, reumatismo e gota.

Comida crua, limpa, desinfecta a boca e fortalece as gengivas.

Controla o nível de açúcar no sangue e o colesterol LDL (colesterol mau). È recomendada para os diabéticos.

85% da sua composição é agua, sendo uma excelente fonte de hidratação e muito adequada para dietas de emagrecimento. Mais Sobre as propriedades da maçã

 O Concelho de Armamar - Capital da Maçã de Montanha – possui cerca de 1400 hectares de macieiras, sendo um dos municípios com a maior área de pomares de macieiras no país, tendo uma produção anual de cerca de 50 mil toneladas de maçãs, (segundo dados da Associação de Fruticultores de Armamar e do INE (1999)).

 As principais variedades de maçãs produzidas no município são a golden e a starking, por serem muito resistentes e assim se adaptarem melhor ao frio e às condições geo-climáticas  da região.  Produzem-se em zonas de grande altitude e têm ambas um elevado teor de açúcar, em especial a golden. Existem ainda pomares com outras variedades, como a royal gala, a bravo esmolfe e a reineta.
ARFER

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

JOSÉ SARAMAGO - PRÉMIO NOBEL


MEMÓRIAS: 8 DE OUTUBRO DE 1998
 
José Saramago recebeu, em Estocolmo (Suécia), o Nobel da Literatura, tornando-se o primeiro escritor de língua portuguesa a ser distinguido com este prémio.
 Discursou em português na Academia Sueca, José Saramago fê-lo na língua do seu país o que não acontece com outros galardoados que o costumam fazer em inglês.
EM SUA MEMÓRIA:
                                                                                    
PALAVRAS DITAS (Moita -2012) 
A DANÇA É como a VIDA
Neste palco do MUNDO
Em que todos somos atores.
Na dança dos sonhos
Só se erguem HOMENS de sonho,           
Na lucidez da sua cegueira,
Na dureza do seu caráter,
Nas palavras do seu Evangelho.
E na corrente, limpidez da sua PALAVRA
Carregada de sabedoria                                
Levar-nos-ia na “Jangada de Pedra”
Comandada por bom timoneiro
Ao encontro da “Ilha dos Sonhos”
Onde todos os homens e mulheres
Seriam livres e “Levantados do Chão”.       
Nessa sua “Ilha desconhecida”
Em que múltiplas gentes
De todos os continentes,
Numa sinfonia multicultural,
Fariam dela a sua PÁTRIA.                       
  
Nela honrariam a língua que os unia
Numa dança e num canto de louvor à LIBERDADE.
Por ela derramariam o seu “sangue”,
Pela igualdade no direito e no dever.
No sonho que nele habita                          
    
Dessa tal “Ilha encantada«
Em que o SER dignifica                                                                                                               E o TER não lhe diz nada

ARFER - 2010

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

1910 A IMPLANTAÇÃO REPÚBLICA EM PORTUGAL

E ASSIM FOI O DIA 5 DE OUTUBRO DE 1910
A REVOLUÇÃO REPUBLICANA
A  Revolução  Republicana foi há 108 anos.  No verão do ano de 1910 os boatos já corriam a cidade, era um aviso de que a revolução era eminente. Foi de facto uma revolução, a implantação veio depois, a sequência factual das acções desenvolvidas, assim o comprovam. A acção conjunta do povo e das forças militares, tal como tinha acontecido na fundação da 2ª dinastia e recentemente na revolução de ABRIL de 1974, foi fundamental para o êxito desta revolução, mas vamos aos factos que comprovam esta afirmação. A revolta republicana já era prevista no contexto da instabilidade política e social existente. A 3 de Outubro o chefe do governo Teixeira de Sousa deu ordem para que todas as tropas da guarnição da cidade de Lisboa (cerca de 7000 homens ) entrasse de prevenção. Porém, cerca de metade desses efectivos estava destacado em funções de policiamento e repressão no BARREIRO, onde as greves e consequente agitação social se verificava desde o mês de Setembro e, assim, ficaram impedidas de reforçar as forças leais ao rei, situadas na margem norte do Tejo (grande factor influente para o êxito da revolução republicana). No dia 3 de Outubro, a informação de que os navios da marinha de guerra iriam sair a barra e o assassinato de Miguel Bombarda, precipitariam a data da acção. O Almirante Cândido dos Reis (carbonário) chefe militar da sublevação prevista, suicida-se na madrugada de 4 de Outubro, julgando que a revolução tinha falhado. A notícia chega à “Rotunda” cerca das sete horas da manhã, desmoralizados, oficiais vestem-se à civil e abandonam o local, porém o Tenente da Marinha MACHADO  SANTOS, também ele carbonário (Maçon) decide continuar e resistir. O duelo de artilharia entre a “Rotunda” (dos republicanos)  os “Restauradores” e o jardim do “Torel” (dos monárquicos) comandados por Paiva Couceiro, era continuado, com baixas para ambos os lados. Às 16h00 do dia 4, os canhões da monarquia calam-se. Paiva Couceiro recebe uma ordem do general António Carvalhal (seu superior) para retirar para “Sete-Rios”.   Não por incompetência do general, como se veio a verificar posteriormente, com a sua nomeação para chefe da Divisão Militar, pelo Governo da República. Os reforços da província nunca chegaram porque, a “gente – povo – todo o dia” bloqueara as estradas e dinamitara a via-férrea e, a marchar, os reforços nunca chegariam a tempo à capital. Da margem sul, também era impossível a chegada de reforços, já que os navios (“S. Rafael”, “Adamastor” e       “D. Carlos I”) estavam na mão dos revoltosos, comandados por oficiais subalternos, tal como na “Rotunda”. No dia 5, o povo que enchia as ruas laterais à “Rotunda”, junta-se às forças revolucionárias, gritando vivas à República. Machado Santos sentindo o maciço apoio popular que, desmoraliza e confunde as forças do regime, sentiu a revolução ganha e decide entregar o  comando da revolução ao General António Carvalhal. Poucas horas depois era proclamada a República por José Relvas, na varanda dos Paços do Concelho, na Praça do Município e logo após é nomeado um governo provisório.                                    Encontram semelhanças??? A diferença está entre as balas de canhão, o desperdício de vidas e os cravos de MAIO, de resto é em tudo semelhante. Militares e povo anónimo, oficiais subalternos e um ou outro general. Não esquecendo o contributo do Barreiro para o êxito da revolução. VIVA A REPÚBLICA !  - VIVA O BARREIRO!
ARFER

terça-feira, 24 de julho de 2018

PALAVRAS DITAS - ARFERLANDIA



PALAVRAS DITAS
Sentou-se e, em voz pausada, disse:
-Sou do Teatro, herdeiro de Moliére
E num gesto largo, pleno de brejeirice,
Arrematou : … falta-me um compére!
O meu palco é o chão que piso,

É nele que represento dia-a-dia,Guardando a tristeza, mostrando um sorriso,
Como luz de esperança, na tarde sombria.
Às treze pancadas, corre o pano.
Estamos no palco …é o 1º ato.
Parecemos felizes … puro engano.

O que corre nas almas, não está no retrato.
Vós, sentados no balcão e na plateia,
Atentos, expectantes na espera, com esperança
Nos sonhos e ditos que a gente semeia.
Ontem, hoje, amanhã, futuro incerto …
No seio de multidões ou no deserto.
A tentação se ser o outro é evidente,
Troca-se o passado e o futuro pelo presente.
Depois logo se vê … diz o ator
É preciso, sim, viver intensamente
Com amizade, fé e muito amor.
Porém, na passerelle do governo
A "música" que nos dão é bem diferente,

Pior que o purgatório e o inferno,
Numa prosa carregada de mentira.
E quando palra a pega e o papagaio, fala o ministro,
Sendo a "voz do dono" e com ar sinistro,
Representa o papel que lhe é dado.
Porém, se da plateia ou do balcão
Acontece, a certa altura, o pateado,
Retira-se o ator, há nova encenação.
Por instantes se pensa que tudo foi mudado.Mas não! … A "voz do dono, perante tal pretexto
Apresenta outro ator, com novo texto.
É ASSIM QUE O "VOTANTE" É ENGANADO
!

ARFER

domingo, 17 de junho de 2018

JOSÉ SARAMAGO - PARA QUE NÃO FALHE A MEMÓRIA!



PARA QUE AS MEMÓRIAS FLORESÇAM

O HOMEM E A PALAVRA - OITO ANOS DEPOIS

 "Conheces o nome que deram, não conheces o nome que tens".  "Livro das Evidências" in "Todos os Nomes"

 Palavras ditas em 18 de JUNHO de 2010

MORREU JOSÉ SARAMAGO Mas ficará sempre entre nós, O comunista convicto, HOMEM do POVO Que tudo fez e desde sempre lutou Para ver o seu Portugal, um país novo. Gostava de CAMÕES e dos poetas da Liberdade, Amado por muitos, ostracizado por alguns Nunca baixou a guarda na defesa da Verdade. Aqueles que desdenharam o seu valor, apresentam, hoje, sentidos pêsames vazios de sentimento. O HOMEM DA “Jangada de Pedra” que uniu os povos das margens do grande Oceano, respirou hoje pela última vez e, decerto, a sua última vontade foi a de seguirmos o seu ideal. O MUNDO FICOU MAIS POBRE. Em vez de ADEUS, um ATÉ JÁ !!!
ARFER

PALAVRAS DITAS (Moita -2012) 

A DANÇA É VIDA
Neste palco do MUNDO
Em que todos somos atores.
Na dança dos sonhos
Só se erguem HOMENS de sonho,           
Na lucidez da sua cegueira,
Na dureza do seu caráter,
Nas palavras do seu Evangelho.
E na corrente da limpidez da sua PALAVRA
Carregada de sabedoria                                
Levar-nos-ia na “Jangada de Pedra”
Comandada por bom timoneiro
Ao encontro da “Ilha dos Sonhos”
Onde todos os homens e mulheres
Seriam livres e “Levantados do Chão”.       
Nessa sua “Ilha desconhecida”
Em que múltiplas gentes
De todos os continentes,
Numa sinfonia multicultural,
Fariam dela a sua PÁTRIA.                         
Nela honrariam a língua que os unia
Numa dança e num canto de louvor à LIBERDADE.
Por ela derramariam o seu “sangue”,
Pela igualdade no direito e no dever.
No sonho que nele habita                              
Dessa tal “Ilha encantada«
Em que o SER dignifica
E o TER não lhe diz nada

ARFER - 2010
E o HOMEM disse:-
“ … Negar a minha Pátria é como rejeitar o meu próprio sangue…”
E o HOMEM interroga:
“ … Como é que se pode não pertencer á língua que se aprendeu,
A língua com que se comunica, neste caso a língua com que
se escreve?? …”

 "Livro das Evidências" in "Todos os Nomes"

 Há na memória um rio onde navegam/ Os barcos da infância, em arcadas/ De ramos inquietos que despregam/ Sobre as águas as folhas recurvadas. / Há um bater de remos compassado/ No silêncio da lisa madrugada,/ Ondas brancas se afastam para o lado / Com o rumor da seda amarrotada. / Há um nascer do sol no sítio exacto, À hora que mais conta duma vida, / Um acordar dos olhos e do tacto, / Um ansiar de sede inextinguida. / Há um retrato de água e de quebranto/ Que do fundo rompeu desta memória,/ E tudo quanto é rio abre no canto/ Que conta do retrato a velha história.   JOSÉ SARAMAGO "POEMAS POSSÍVEIS", Editorial CAMINHO, 1981.

terça-feira, 12 de junho de 2018

LISBOA - MARCHAS POPULARES



MARCHAS DITAS POPULARES DE LISBOA … A BANDA PASSA …QUEM LEMBRA A DESGRAÇA?

VAMOS VER SE DÁ EM GRAÇA!

O espetáculo JUNINO, mas não genuíno, repete-se cada vez mais sofisticado. Oitenta e quatro anos depois, marchantes, padrinhos, arcos e balões desfilarão (em liberdade) na AVENIDA da LIBERDADE. Segundo informação veiculada, o grande desfile, a 12 de junho, terá a seguinte alinhamento:

Marcha da Voz do Operário
Marcha dos Mercados
Marcha da Santa Casa
1 - Marcha de S.Vicente
2 - Marcha de Alfama
3 - Marcha dos Olivais
4 - Marcha de Marvila
5 - Marcha da Ajuda
6 - Marcha do Lumiar
7 - Marcha de São Domingos de Benfica
8 - Marcha de Alcântara
9 - Marcha do Bairro Alto
10 - Marcha de Belém
11 - Marcha da Boavista
12 - Marcha da Madragoa
13 - Marcha da Mouraria
14 - Marcha da Bica
15 - Marcha da Graça
16 - Marcha da Bela-Flor Campolide
17 - Marcha de Carnide
18 - Marcha do Castelo
19 - Marcha da Penha de França
20 - Marcha de Campo de Ourique

Destes bairros apresentados a concurso, um deles será o grande vencedor. Estes vinte bairros marcharão ( recriando as tradições imaginadas) na Av. da LIBERDADE, no dia 12 de junho, com paragem e exibição frente ao Parque Mayer / Música, dança, arcos e balões / Um espetáculo, bem encenado, a não perder.

FICA A INTERROGAÇÃO:   Este ano qual será o bairro felizardo? 

 EM 2017  a grande vencedora foi a MARCHA DE ALFAMA !!!

 Mas para que não falhe a memória, cá vai um pouco de história.

 MARCHAS POPULARES OU INVENÇÃO       FOLCLORE CITADINO

 As Festas Populares eram manifestações culturais que espelhavam a identidade de quem as produzia.

Os Arraiais eram comuns nas aldeias, vilas ou bairros da cidade e estavam associados ao SOLSTÍCIO de Verão, de origem Pagã. Era tradição queimar as coisas velhas, e daí a origem das fogueiras juninas.

Nos casos específicos dos bairros da cidade de LISBOA, as festividades populares não fogem à regra e têm, nas mais variadas representações, a sua identidade, no FADO, nas CEGADAS (representações teatrais de rua), nas rodas e cantares à volta da fogueira, 0nde, também, a simbologia do bairro estava presente.

A partir de fins do Sec. XVIII surge o culto do Santo António, que o Clero e o governo da cidade elegeram como patrono popular, passando S. Vicente a mero símbolo da cidade.

Apesar do contacto e interligação com outras culturas e outros hábitos, as “marcas” bairristas vão sendo representadas nas festas tradicionais da cidade onde o culto de Santo António prevaleceu. As marchas “ditas” populares que sucederam às marchas “Aux Flambeaux”, popularmente chamadas de “Fulambó” que percorriam as ruas do bairro e dos bairros adjacentes, em grandes filas, acompanhadas das bandas filarmónicas do bairro ou das designadas “troupes”( estas sim, as marcadamente de raiz popular).

Assim, as marchas populares, deixaram de o ser, ainda que aparentemente o sejam. A partir do Mês de Junho de 1932 passaram a ser um produto de folclore urbano, com obediência a regras e princípios, devidamente regulamentados e com a encenação adequada aos propósitos regimentais, como que um complemento da “CASA PORTUGUESA” de Raul Lino, é mais uma peça do puzle inserida no projecto de folclorização do Estado Novo Português.

É na sequência das comemorações do 28 de Maio, em 1932, que o “Notícias Ilustrado” no seu número especial sobre a efeméride, anuncia o 1º concurso das marchas. Um espetáculo capaz de mobilizar a atenção dos Lisboetas. No dia 12 de Junho de 1932 a sala do “Capitólio” enchia. Um êxito popular, segundo a imprensa da época.

O direc
tor do “Noticias Ilustrado” era, nem mais nem menos, José Leitão de Barros, também realizador de cinema, promotor cultural e muito ligado a ANTÓNIO FERRO (  “inventor” do GALO DE BARCELOS, como símbolo nacional) o responsável pela política de PROPAGANDA do Regime, criador do Secretariado da Propaganda Nacional. A “ideia-proposta” de Leitão de Barros vai no sentido de satisfazer a vontade de Campos Figueira, diretor do Parque Mayer, no sentido de criar em Junho desse ano (1932) um espetáculo capaz de mobilizar a atenção dos lisboetas, pensado, dito e feito, caiu como sopa no mel. Foram convidadas a participar as colectividades de cada bairro, sendo que a produção estaria a cargo do Parque Mayer.

A propaganda de promoção foi intensa e a mobilização popular aconteceu.

Este projecto, apresentado como que fazendo parte da tradição, era o ideal, numa altura em que bem mais importante que veicular ideias, importava, isso sim, distrair o POVO, em cumprimento da Cartilha Cultural de ANTÓNIO FERRO.

Pouco importará se as marchas que se apresentaram no palco do “Capitólio”, em 12 de Junho, foram as do Alto do Pina, de Campo de Ourique, Bairro Alto ou Alfama, o que conta foi o sucesso popular que teve e principalmente porque foi um veículo de apoio à propaganda do regime Salazarista.

O concurso das marchas populares regressou, em força, no ano de 1934, concorreram então 12 Bairros. O Município de Lisboa chamou a si a organização e integrou-as no que designou por Festas da Cidade.

Se nos últimos anos são signo dos Santos Populares,  em 1934 as marchas celebraram o 10 de Junho (como Dia da Raça); em 1940 assinalaram os Descobrimentos Portugueses; de 1941 a 1946 não desfilaram, foi o tempo da 2ª Guerra Mundial; em 1947 comemorou-se a conquista de Lisboa aos Mouros por D. Afonso Henriques e em 1973 o tema foi o Grande Desfile Popular do Mundo Lusíada.

A cidade acabou por se apropriar das marchas como símbolo de uma identidade perdida, entre o rural (Ex. m. de Benfica) mas quanto à celebração das festas e dos santos populares constitui uma novidade, acabando até por potenciar a tradição dos arraiais e dos bailes populares.

As CEGADAS, essas, foram politicamente extintas e a representação transferida para os palcos, onde o controle da censura era mais eficaz.

Desta forma, tento fazer lembrar que as “Marchas (ditas)  Populares” foram uma encenação criada com objetivos concretos, tal como muito do folclore rural que foi criado (a partir dos anos 30) e que hoje representam um espetáculo que, conjuntamente com outros, fazem parte do programa das festas da cidade. Não são uma tradição cultural, mas um espetáculo em que através de simbologia própria manifesta o propósito de nos mostrar algo que tem ou teve ou poderá ter a ver com o Bairro que representam.


ARFER

segunda-feira, 4 de junho de 2018

TRATADO DE TORDESILHAS



                 524 ANOS DEPOIS

Será que El-Rei D. João II, ao firmar o Tratado de Tordesilhas, já sabia da existência de novas terras a Ocidente e a Sul do Equador? – A norte tinha a certeza. E como prova, as idas à Terra Nova dos portugueses na demanda do Bacalhau.
O Caminho da Índia era conhecido devido às informações trazidas por Diogo Cão e pelo seu espião de serviço (007) Pero da Covilhã.
Porque terá rejeitado os serviços que lhe foram propostos por Cristóvão Colombo?


Tudo leva a crer que a substituição do Tratado de Alcáçovas  pelo Tratado de Tordesilhas , em 7 de junho de 1494 foi preparado cuidadosamente e em segredo por D. JOÃO II.

Quando,  a 09/o3/1500, Pedro Álvares Cabral partiu do estuário do Tejo, comandando uma armada (bem armada) de 13 navios com cerca de doze centenas de homens a bordo (na rota da INDIA)  e da qual faziam parte  Bartolomeu Dias, Nicolau Coelho o cosmógrafo Duarte Pacheco Pereira, é a confirmação de que aquele “desvio” na rota, já conhecida e navegada, não foi casual.

Devido a este facto histórico, acontecido num 7 de junho , aconteceu  um  encontro de povos que viria a dar origem à grande amplitude e importância que a língua portuguesa tem, no Mundo.

A visão de um HOMEM (D. JOÃO II) que em 13 anos de reinado (acabou envenenado) e o rei que se lhe seguiu (D. MANUEL II  o “VENTUROSO”), com a herança que lhe foi confiada,  deu continuidade a epopeia épica de um povo que habitava num rectângulo, à beira-mar plantado, no extremo ocidental da “Jangada d Pedra”, que Luís Vaz de Camões bem descreve nos “LUSÍADAS” e séculos mais tarde, Gilberto Freyre justifica o porquê de tão poucos, conseguirem dar origem a esta amplitude do português falado: - “ …a mobilidade e a miscigenação…).
E como sempre a síntesea síntese:


A Ocidente o BRASIL, a Oriente Timor.
No meio Angola, Moçambique e Guiné.
Não julguem que me esqueci de Goa, Macau e S. Tomé
E, também, de Cabo Verde, ponto de encontro no Mar.
Povos que têm em comum, o português no Falar.

ARFER