Translate

domingo, 6 de janeiro de 2019

Recordando: MALANGATANA NGWENYA

Cheguei a casa, cerca das 21h00, sentei-me para jantar e vi a notícia, via TV, em rodapé: “ …faleceu Malangatana …”, não queria crer mas, logo após, confirmei.

Lá fora chovia copiosamente, como se do céu caíssem lágrimas de tristeza. Decidi escrever e fazer lembrar em poucas palavras, quem foi o Pintor, o Poeta, o Escultor, amante da Antropologia e Etnologia, mas, principalmente, amava a natureza, a humanidade e todos quantos com ele conviviam.

Em 6 de Junho de 1936, nasceu em MATALANA (província de Maputo).

Em 1960 tornou-se artista profissional.

No período colonial foi preso pela PIDE (polícia política) juntamente com os poetas José Craveirinha, Rui Nogar e outros cidadãos. Julgado dois anos depois e sem culpa formada (o que era comum) é julgado, absolvido e libertado.

Aderiu à FRELIMO, impulsionou diversos projectos culturais, colaborou intensamente com a UNICEF em acções culturais direccionadas à criança.

Um imenso rol de países de todo o Mundo guarda obras suas.

Estão presentes nas suas obras o “papão”, o povo e a criança mas em grande parte delas é a MULHER MOÇAMBICANA que está em destaque e dele guardo esta frase: “ …Não estou desiludido com a mulher com quem casei, ela é superior a mim ….”
O MUNDO FICOU MAIS POBRE !
ARFER

MALANGATANA NGWENYA

Não teve berço, nem brinquedo

Dormiu na esteira, no chão

E de noite sentia medo

Que ali chegasse o “papão”.

Em moleque, criado de meninos

Apanha bolas e pastor

Aprendiz de “nyamossoro”

Ansiava um Mundo melhor

Trazia em si a Arte, em cada poro.

Foi em Matalana que nasceu

E experimentou a arte de pintar

Desenhou e fez-se escultor

Dedicou-se à vida com trabalho

E deixou nele todo o seu amor.

Hoje cidadão do Mundo

Venerado em toda a parte

Não só pelo HOMEM que é

Mas também pela sua ARTE.


Em vez de um ADEUS, ATÉ JÁ !!!

ARFER

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

2019 - ANO NOVO - VIDA NOVA!

 
 CINCO SÃO OS DIAS, para para que saudemos o Senhor 2019. Vai ser ano de alguma agitação. SORTE, SAÚDE e bem ESTAR para TODOS.
Como estou numa de CINCO LETRAS...VOTEM bem!
QUE 2019 E SEGUINTES. SEJAM OS MELHORES ANOS DAS VOSSAS VIDAS-
NUM ABRAÇO FRATERNO com MUITA AMIZADE, DESEJO A TODOS UM FUTURO COM SAÚDE, FELICIDADE E ESPERANÇA, ATÉ PARA O ANO !!!
 E VÃO UMAS PALAVRITAS
CINCO letras, cinco dedos
Tal qual os DEDOS da mão
E CINCO são os sentidos,
Diz-nos a voz da RAZÂO.
Haja SAÚDE para todos,
Ser FELIZ e ter esperança
E que, também, o novo ano
Vos traga AMOR e abastança.

Para ti, querido(a) AMIGO (a)
Neste ano que cai de VELHO
Num FORTE ABRAÇO sentido
Te mando CRAVO vermelho
Neste CANTO de fim de ano
Penso eu,MAIS AGRADADO
Que a GERIGONÇA
PARIU

UM PORTUGAL ESPERANÇADO.
 
Mas ATENÇÃO que o projecto.
Ainda não está terminado.
ARFER

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

NATAL

UM BOM E FELIZ NATAL PARA TODOS e NÃO DEIXEM DE SONHAR PORQUE O FUTURO SERÁ O PRODUTO DO NOSSO QUERER E FAZER ... HAJA ESPERANÇA.
UM ABRAÇO PARA TODOS.
N A T A L

Nada melhor do que ter
AMOR, PÃO e AMIZADE
Também é bom não esquecer
Aqueles que neste MUNDO
Lutam pela igualdade.

Sendo assim, que este NATAL
Nos sirva de reflexão
Sobre a tristeza que assola
As muitas casas sem PÃO
E os meninos sem ESCOLA.
SES:
Se acham bem o que digo
Se certos e do meu lado
Levem a quem não consigo
O que vai neste "RECADO".

Se ao nascer há IGUALDADE
Se na morte é tal e qual,
Porque é que durante a vida
Não há "espírito" de NATAL.
ARFER

domingo, 18 de novembro de 2018

MOLIERE E VIVA O TEATRO!


    Falemos de TEATRO. ** MOLIERE
Jean Baptiste Poquelin,  conhecido como MOLIERE, nasceu em Paris no ano de 1622 e faleceu (com 51 anos) na cidade onde nasceu  em 1673.
Há 359 anos num dia 18 de Novembro. Aconteceu!

Em 1658 MOLIERE . Estabelece-se definitivamente no teatro do Petit-Bourbon, onde, a 18 de Novembro de 1659, faz a estreia da sua peça “Les Précieuses ridicules” ("As Preciosas Ridículas") - uma das suas “Obras primas” que não era mais que a primeira incursão do autor na crítica dos maneirismos e modos afectados que então eram comuns em França e considerados "distintos". A peça foi inicialmente proibida, mas pouco depois recebeu autorização para ser posta em cena. O estilo e conteúdo deste seu primeiro sucesso relativo tornou-se rapidamente no centro de uma vasta controvérsia literária.
ARFER 
LEMBREI-O NESTES VERSOS:
PALAVRAS DITAS (2012)
Sentou-se e, em voz pausada, disse:
Sou do Teatro, herdeiro de Moliere
E num gesto largo, pleno de brejeirice,
Arrematou : … falta-me um compere!
O meu palco é o chão que piso,
É nele que represento dia-a-dia,
Guardando a tristeza, mostrando um sorriso,
Como luz de esperança, na tarde sombria.
Às três pancadas, corre o pano.
Estamos no palco …é o 1º ato.
Parecemos felizes … puro engano.
O que corre nas almas, não está no retrato.
Vós, sentados no balcão e na plateia,
Atentos, expectantes na espera, com esperança
Nos sonhos e ditos que a gente semeia.
Ontem, hoje, amanhã, futuro incerto …
No seio de multidões ou no deserto.
A tentação se ser o outro é evidente,
Troca-se o passado e o futuro pelo presente.
Depois logo se vê … diz o ator
É preciso, sim, viver intensamente
Com amizade, fé e muito amor.
Porém, na passerelle do governo
A “música” que nos dão é bem diferente,
Pior que o purgatório e o inferno,
Numa prosa carregada de mentira.
Com ar circunspecto, fala o ministro.
Sendo a “voz do dono” e com ar sinistro,
Representa o papel que lhe é dado.
Porém, se da plateia ou do balcão
Acontece, a certa altura, o pateado,
Retira-se o ator, há nova encenação.
Por instantes se pensa que tudo foi mudado.
Mas não .. A “voz do dono, perante tal pretexto,
Apresenta outro ator, com novo texto.
É ASSIM QUE O “VOTANTE “ É ENGANADO!
ARFER

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

CONFERÊNCIA DE BERLIM


CONFERÊNCIA DE BERLIM
Teve o seu ício ontem (15/11/1884). Hoje, 134 anos depois, achei por bem, evocar o seu aniversário. Participaram na Conferência, presidida pelo alemão Otto Von Bismarck a Alemanha, França, Espanha, Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Itália, Suécia, Império Otomano, Áustria, Hungria. O encerramento da Conferência de Berlim, deu por findos os trabalhos em 26 de Fevereiro de 1885. Tinha em vista a partilha do Continente Africano, não respeitando Culturas, Etnias nem considerando que a destruição ou desagregação cultural de um povo pela força é como que uma agressão à natureza e pode causar danos e desequilíbrios tais, que produzirão, a médio e longo prazo, efeitos devastadores.
Em causa, estavam a posse e a busca de matérias-primas para as potências emergentes da Revolução Industrial do SÉCULO DEZANOVE. Entre outros aspectos, em cima da mesa estava também o célebre "Mapa Cor-de- Rosa", defendido por Portugal e mais tarde (1890) foi vilmente desrespeitado pelo "aliado", então presente na Conferência (Grã- Bretanha) e daí "nasceu o que é hoje o HINO DE PORTUGAL , a que mais tarde, mudaram uma palavra (no derradeiro verso) BRETÕES por canhões. PIM.

ARFER

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

TERRAMOTO DE 1755

 

O TERRAMOTO! – AS IMAGENS !

Estava Sebastião José de Carvalho e Melo empenhado em transformar Portugal, quando pelas 09H00 da manhã do dia1 de Novembro de 1755, “DIA DE TODOS OS SANTOS” um violento Terramoto atinge todo o Sul da Península Ibérica, seguido um Maremoto. A TERRA tremeu,  LISBOA caiu com estrondo com os fortes abalos. Depois incendiada pelas velas acesas em louvor  aos santos e por fim invadida por ondas gigantes, de mais de 20 metros, produzidas pelo maremoto. Diziam, então, os que evocavam os SANTOS,  que foi castigo divino para o governo de então. Nada disso, o acontecimento ecoou por toda a Europa. No dia seguinte (2 de Novembro de 1755) Já o enérgico alfacinha, nado e batizado na Freguesia das Mercês, mobiliza o Exército e a polícia, manda "tratar" da "saúde" à bandidagem que pilhava na cidade destroçada e trata de iniciar o processo de reconstrução de Lisboa. Eugénio dos Santos e Manuel da Maia, tiveram o privilégio de traçar a planta da nova Cidade. Esta atitude, perante a tragédia, teve um impacto político e sócio económico que elevou o GOVERNO de então, a exemplo de toda a Europa (repito) . LISBOA ressurgiu das cinzas, o que hoje (SEC XXI) ainda, nos é permitido admirar.                                                                                                        No último quartel do SEC XVIII, foi “fenómeno” intensamente abordado e inspirador da Filosofia ILUMINISTA de que lembro a figura de VOLTAIRE.
ARFER

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

BERTOLT BRECHT


De Bertolt Brecht
“SE OS TUBARÕES FOSSEM HOMENS”

Se os tubarões fossem homens, perguntou a filha da sua senhoria ao Senhor K., eles seriam mais amáveis com os peixinhos?
Certamente, disse ele.
Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos com todo tipo de alimento, tanto animal como vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca, e tomariam toda espécie de medidas sanitárias.
Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, então lhe fariam imediatamente um curativo, para que ele não morresse antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem melancólicos, haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes.
Naturalmente, haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas, os peixinhos aprenderiam como nadar para as goelas dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar.
O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura.
Os peixinhos saberiam que esse futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo, os peixinhos deveriam evitar toda inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista, e avisar imediatamente os tubarões, se um dentre eles mostrasse tais tendências. Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões.
Os peixinhos – eles iriam proclamar – são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não podem se entender. Cada peixinho que na guerra matasse alguns outros, inimigos, que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia o título de herói.
Se os tubarões fossem homens, naturalmente haveria também arte entre eles. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores soberbas, e suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos tubarões, e a música seria tão bela, que a seus acordes todos os peixinhos, com a orquestra na frente, sonhando, embalados nos pensamentos mais doces, se precipitariam nas gargantas dos tubarões.
Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Além disso, se os tubarões fossem homens também acabaria a idéia de que os peixinhos são iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os menores. Isto seria agradável para os tubarões, pois eles teriam, com maior freqüência, bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores, detentores de cargos, cuidariam da ordem entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, construtores de gaiolas, etc.
Em suma, haveria uma civilização no mar, se os tubarões fossem homens.
Bertolt Brecht (1898-1956) reuniu na obra Histórias do Senhor Keuner, em 1932, parábolas escritas com humor e ironia, satirizando o comportamento da sociedade.

domingo, 21 de outubro de 2018

MAÇÃ ~DIA MUNDIAL


21 de Outubro - Dia da Maçã

Nos versículos escritos em “tabletes” de argila, na  antiga SUMÉRIA, consta que a “dita”, por ser tão chamativa e apetitosa, deu origem ao pecado original, que deu azo à procriação compulsiva.PIM!  
E agora, o PORQUÊ da coisa:

O Dia da Maçã, foi instituído pela Associação Common Ground, em 1990, a 21 de Outubro, uma iniciativa para promover o consumo desta fruta e dar a conhecer as suas propriedades medicinais.

 As propriedades das maçãs são numerosas; o seu nome latino “pomum” significa “fruto” e para os antigos significa  o fruto de excelência.

 E o que têm as maçãs para serem um fruto consumido desde há cerca de 20.000 anos e que as crenças populares as consideram uma excelente prevenção?

 Fonte de fibra que regula o trânsito intestinal.É um clássico remédio contra a prisão de ventre. 

Contem pectina, fibra solúvel com boas propriedades digestivas.

Limpa o organismo de resíduos. É útil em casos de artrites, reumatismo e gota.

Comida crua, limpa, desinfecta a boca e fortalece as gengivas.

Controla o nível de açúcar no sangue e o colesterol LDL (colesterol mau). È recomendada para os diabéticos.

85% da sua composição é agua, sendo uma excelente fonte de hidratação e muito adequada para dietas de emagrecimento. Mais Sobre as propriedades da maçã

 O Concelho de Armamar - Capital da Maçã de Montanha – possui cerca de 1400 hectares de macieiras, sendo um dos municípios com a maior área de pomares de macieiras no país, tendo uma produção anual de cerca de 50 mil toneladas de maçãs, (segundo dados da Associação de Fruticultores de Armamar e do INE (1999)).

 As principais variedades de maçãs produzidas no município são a golden e a starking, por serem muito resistentes e assim se adaptarem melhor ao frio e às condições geo-climáticas  da região.  Produzem-se em zonas de grande altitude e têm ambas um elevado teor de açúcar, em especial a golden. Existem ainda pomares com outras variedades, como a royal gala, a bravo esmolfe e a reineta.
ARFER

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

JOSÉ SARAMAGO - PRÉMIO NOBEL


MEMÓRIAS: 8 DE OUTUBRO DE 1998
 
José Saramago recebeu, em Estocolmo (Suécia), o Nobel da Literatura, tornando-se o primeiro escritor de língua portuguesa a ser distinguido com este prémio.
 Discursou em português na Academia Sueca, José Saramago fê-lo na língua do seu país o que não acontece com outros galardoados que o costumam fazer em inglês.
EM SUA MEMÓRIA:
                                                                                    
PALAVRAS DITAS (Moita -2012) 
A DANÇA É como a VIDA
Neste palco do MUNDO
Em que todos somos atores.
Na dança dos sonhos
Só se erguem HOMENS de sonho,           
Na lucidez da sua cegueira,
Na dureza do seu caráter,
Nas palavras do seu Evangelho.
E na corrente, limpidez da sua PALAVRA
Carregada de sabedoria                                
Levar-nos-ia na “Jangada de Pedra”
Comandada por bom timoneiro
Ao encontro da “Ilha dos Sonhos”
Onde todos os homens e mulheres
Seriam livres e “Levantados do Chão”.       
Nessa sua “Ilha desconhecida”
Em que múltiplas gentes
De todos os continentes,
Numa sinfonia multicultural,
Fariam dela a sua PÁTRIA.                       
  
Nela honrariam a língua que os unia
Numa dança e num canto de louvor à LIBERDADE.
Por ela derramariam o seu “sangue”,
Pela igualdade no direito e no dever.
No sonho que nele habita                          
    
Dessa tal “Ilha encantada«
Em que o SER dignifica                                                                                                               E o TER não lhe diz nada

ARFER - 2010

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

1910 A IMPLANTAÇÃO REPÚBLICA EM PORTUGAL

E ASSIM FOI O DIA 5 DE OUTUBRO DE 1910
A REVOLUÇÃO REPUBLICANA
A  Revolução  Republicana foi há 108 anos.  No verão do ano de 1910 os boatos já corriam a cidade, era um aviso de que a revolução era eminente. Foi de facto uma revolução, a implantação veio depois, a sequência factual das acções desenvolvidas, assim o comprovam. A acção conjunta do povo e das forças militares, tal como tinha acontecido na fundação da 2ª dinastia e recentemente na revolução de ABRIL de 1974, foi fundamental para o êxito desta revolução, mas vamos aos factos que comprovam esta afirmação. A revolta republicana já era prevista no contexto da instabilidade política e social existente. A 3 de Outubro o chefe do governo Teixeira de Sousa deu ordem para que todas as tropas da guarnição da cidade de Lisboa (cerca de 7000 homens ) entrasse de prevenção. Porém, cerca de metade desses efectivos estava destacado em funções de policiamento e repressão no BARREIRO, onde as greves e consequente agitação social se verificava desde o mês de Setembro e, assim, ficaram impedidas de reforçar as forças leais ao rei, situadas na margem norte do Tejo (grande factor influente para o êxito da revolução republicana). No dia 3 de Outubro, a informação de que os navios da marinha de guerra iriam sair a barra e o assassinato de Miguel Bombarda, precipitariam a data da acção. O Almirante Cândido dos Reis (carbonário) chefe militar da sublevação prevista, suicida-se na madrugada de 4 de Outubro, julgando que a revolução tinha falhado. A notícia chega à “Rotunda” cerca das sete horas da manhã, desmoralizados, oficiais vestem-se à civil e abandonam o local, porém o Tenente da Marinha MACHADO  SANTOS, também ele carbonário (Maçon) decide continuar e resistir. O duelo de artilharia entre a “Rotunda” (dos republicanos)  os “Restauradores” e o jardim do “Torel” (dos monárquicos) comandados por Paiva Couceiro, era continuado, com baixas para ambos os lados. Às 16h00 do dia 4, os canhões da monarquia calam-se. Paiva Couceiro recebe uma ordem do general António Carvalhal (seu superior) para retirar para “Sete-Rios”.   Não por incompetência do general, como se veio a verificar posteriormente, com a sua nomeação para chefe da Divisão Militar, pelo Governo da República. Os reforços da província nunca chegaram porque, a “gente – povo – todo o dia” bloqueara as estradas e dinamitara a via-férrea e, a marchar, os reforços nunca chegariam a tempo à capital. Da margem sul, também era impossível a chegada de reforços, já que os navios (“S. Rafael”, “Adamastor” e       “D. Carlos I”) estavam na mão dos revoltosos, comandados por oficiais subalternos, tal como na “Rotunda”. No dia 5, o povo que enchia as ruas laterais à “Rotunda”, junta-se às forças revolucionárias, gritando vivas à República. Machado Santos sentindo o maciço apoio popular que, desmoraliza e confunde as forças do regime, sentiu a revolução ganha e decide entregar o  comando da revolução ao General António Carvalhal. Poucas horas depois era proclamada a República por José Relvas, na varanda dos Paços do Concelho, na Praça do Município e logo após é nomeado um governo provisório.                                    Encontram semelhanças??? A diferença está entre as balas de canhão, o desperdício de vidas e os cravos de MAIO, de resto é em tudo semelhante. Militares e povo anónimo, oficiais subalternos e um ou outro general. Não esquecendo o contributo do Barreiro para o êxito da revolução. VIVA A REPÚBLICA !  - VIVA O BARREIRO!
ARFER

terça-feira, 24 de julho de 2018

PALAVRAS DITAS - ARFERLANDIA



PALAVRAS DITAS
Sentou-se e, em voz pausada, disse:
-Sou do Teatro, herdeiro de Moliére
E num gesto largo, pleno de brejeirice,
Arrematou : … falta-me um compére!
O meu palco é o chão que piso,

É nele que represento dia-a-dia,Guardando a tristeza, mostrando um sorriso,
Como luz de esperança, na tarde sombria.
Às treze pancadas, corre o pano.
Estamos no palco …é o 1º ato.
Parecemos felizes … puro engano.

O que corre nas almas, não está no retrato.
Vós, sentados no balcão e na plateia,
Atentos, expectantes na espera, com esperança
Nos sonhos e ditos que a gente semeia.
Ontem, hoje, amanhã, futuro incerto …
No seio de multidões ou no deserto.
A tentação se ser o outro é evidente,
Troca-se o passado e o futuro pelo presente.
Depois logo se vê … diz o ator
É preciso, sim, viver intensamente
Com amizade, fé e muito amor.
Porém, na passerelle do governo
A "música" que nos dão é bem diferente,

Pior que o purgatório e o inferno,
Numa prosa carregada de mentira.
E quando palra a pega e o papagaio, fala o ministro,
Sendo a "voz do dono" e com ar sinistro,
Representa o papel que lhe é dado.
Porém, se da plateia ou do balcão
Acontece, a certa altura, o pateado,
Retira-se o ator, há nova encenação.
Por instantes se pensa que tudo foi mudado.Mas não! … A "voz do dono, perante tal pretexto
Apresenta outro ator, com novo texto.
É ASSIM QUE O "VOTANTE" É ENGANADO
!

ARFER