Translate

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

NATAL


QUE HAJA PAZ, SOLIDARIEDADE E FRATERNIDADE, NESTE PLANETA AZUL

 
NATAL

Nada melhor do que ter
Amor, “Pão” e Amizade.
Também, é bom não esquecer
Aqueles que neste Mundo
Lutam pela Liberdade.

E o que é Liberdade?
Julgamos todos saber
Então, pronto, é só dizer:
É viver em igualdade
No direito e no dever.

Sendo assim, que este Natal
Nos sirva de reflexão
Sobre a tristeza que assola
As muitas casas sem pão
E os meninos sem escola.

Se acham bem o que aqui digo
Se certos e do meu lado
Levem a quem não consigo
O que vai neste “recado”.

Se ao nascer há igualdade,
Se na morte é tal e qual,
Porque é que durante a vida
Não há “espírito” de NATAL.
ARFER

terça-feira, 21 de novembro de 2017

BOCAGE - O POETA!




 
HOJE LEMBRO O POETA MANUEL MARIA BARBOSA DU BOCAGE "ELMANO SADINO" ,UM DOS GRANDES POETAS PORTUGUESES

sábado, 18 de novembro de 2017

MOLIÉRE E O TEATRO


Aconteceu!
Molière chegou a Paris em 1658 . Estabelece-se definitivamente no teatro do Petit-Bourbon, onde, a 18 de Novembro de 1659, faz a estreia da sua peça “Les Précieuses ridicules” ("As Preciosas Ridículas") - uma das suas obras primas que não era mais que a primeira incursão do autor na crítica dos maneirismos e modos afectados que então eram comuns em França e considerados "distintos". A peça foi inicialmente proibida, mas pouco depois recebeu autorização para ser posta em cena. O estilo e conteúdo deste seu primeiro sucesso relativo tornou-se rapidamente no centro de uma vasta controvérsia literária.
ARFER

sábado, 28 de outubro de 2017

domingo, 22 de outubro de 2017

BERTOLT BRECHT



"E SE OS TUBARÕES FOSSEM HOMENS?" -  DE BERTOLT BRECHT

"Se os tubarões fossem homens, perguntou a filha da sua senhoria ao Senhor K., eles seriam mais amáveis com os peixinhos?
Certamente, disse ele.
Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos com todo tipo de alimento, tanto animal como vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca, e tomariam toda espécie de medidas sanitárias.
Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, então lhe fariam imediatamente um curativo, para que ele não morresse antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem melancólicos, haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes.
Naturalmente, haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas, os peixinhos aprenderiam como nadar para as goelas dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar.
O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura.
Os peixinhos saberiam que esse futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo, os peixinhos deveriam evitar toda inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista, e avisar imediatamente os tubarões, se um dentre eles mostrasse tais tendências. Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões.
Os peixinhos – eles iriam proclamar – são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não podem se entender. Cada peixinho que na guerra matasse alguns outros, inimigos, que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia o título de herói.
Se os tubarões fossem homens, naturalmente haveria também arte entre eles. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores soberbas, e suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos tubarões, e a música seria tão bela, que a seus acordes todos os peixinhos, com a orquestra na frente, sonhando, embalados nos pensamentos mais doces, se precipitariam nas gargantas dos tubarões.
Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Além disso, se os tubarões fossem homens também acabaria a idéia de que os peixinhos são iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os menores. Isto seria agradável para os tubarões, pois eles teriam, com maior freqüência, bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores, detentores de cargos, cuidariam da ordem entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, construtores de gaiolas, etc.
Em suma, haveria uma civilização no mar, se os tubarões fossem homens.


Bertolt Brecht (1898-1956) reuniu na obra Histórias do Senhor Keuner, em 1932, parábolas escritas com humor e ironia, satirizando o comportamento da sociedade.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

CALENDARIO GREGORIANO


 11 de Outubro de 1582
 HÁ 435 ANOS, 158.883 DIAS, ACONTECEU.
 Para Portugal, Espanha e Itália, os primeiros países a  adoptarem o “Calendário Gregoriano”( Oficialmente o primeiro dia deste novo calendário foi 15 de Outubro de 1582), o dia 11 de Outubro não existiu.
Foram omitidos dez dias do “Calendário Juliano”, deixando de existir os dias de 5 a 14 de outubro de 1582. A bula ditava que o dia imediato à quinta-feira, 4 de outubro, fosse sexta-feira, 15 de outubro.
Só quatro séculos passados, é que todas as nações do planeta azul o adoptaram, e, por isso, é que as datas comemorativas são assinaladas mundialmente pelo calendário Gregoriano.
Porém, nalguns países e regiões, ainda se conservam outros calendários ª) para uso religioso inclusive com cronologia diferente da adotada pela Igreja Católica Romana.

OBS:
a)Para esta mesma data outros calendários apontam anos diferentes, como: Ab urbe condita 2769; Calendário Babilônico 6766; Calendário bahá'í 172–173; Calendário budista 2560; Calendário hebreu 5776–5777; Calendário hindu Vikram Samvat 2072–2073; Calendário hindu Shaka Samvat 1938–1939; Calendário hindu Kali Yuga 5117–5118; Calendário Holoceno 12016; Calendário iraniano 1394–1395; Calendário Islâmico 1437–1438 entre outros.

(a) Após pesquisa na Enciclopédia.

Hoje, 2ª terça-feira do mês de Outubro (octo, "oito" em latim; o oitavo mês do calendário de Rómulo)  ´É DIA DE MARTE.
ARFER   

domingo, 8 de outubro de 2017

JOSÉ SARAMAGO - MEMORIAL LITERÁRIO

MEMÓRIAS: 8 DE OUTUBRO DE 1998
 
José Saramago recebeu, em Estocolmo (Suécia), o Nobel da Literatura, tornando-se o primeiro escritor de língua portuguesa a ser distinguido com este prémio.

Discursou em português na Academia Sueca, José Saramago fê-lo na língua do seu país o que não acontece com outros galardoados que o costumam fazer em inglês.
EM SUA MEMÓRIA:

PALAVRAS DITAS (Moita -2012) 
A DANÇA É como a VIDA
Neste palco do MUNDO
Em que todos somos atores.
Na dança dos sonhos
Só se erguem HOMENS de sonho,           
Na lucidez da sua cegueira,
Na dureza do seu caráter,
Nas palavras do seu Evangelho.
E na corrente, limpidez da sua PALAVRA
Carregada de sabedoria                                
Levar-nos-ia na “Jangada de Pedra”
Comandada por bom timoneiro
Ao encontro da “Ilha dos Sonhos”
Onde todos os homens e mulheres
Seriam livres e “Levantados do Chão”.       
Nessa sua “Ilha desconhecida”
Em que múltiplas gentes
De todos os continentes,
Numa sinfonia multicultural,
Fariam dela a sua PÁTRIA.                       
  
Nela honrariam a língua que os unia
Numa dança e num canto de louvor à LIBERDADE.
Por ela derramariam o seu “sangue”,
Pela igualdade no direito e no dever.
No sonho que nele habita                          
    
Dessa tal “Ilha encantada«
Em que o SER dignifica                                                                                                              
E o TER não lhe diz nada
ARFER - 2010

sábado, 30 de setembro de 2017

FERNANDO TAVARES MARQUES - MAIS UM ANITO



 
 
DAQUI A 23 ANITOS CÁ ESTAREMOS A COMEMORAR 
 
AMIGO
Que continues a escrever
Poemas deste calibre
E tenhas essa vontade
De querer um país livre
E que a liberdade assente
No conceito da igualdade
De direitos e deveres.
Embora havendo pareceres
De que é uma utopia
Estamos certos da razão,
Esta não se fantasia.
O que dizes faz sentido
E vale em todo o momento
Desse passado sabido
É que vem o nosso alento.
É certo que em todo o tempo
Houve algumas frustrações
Por “batalhas” que perdidas,
Por insondáveis razões
São recordações vividas
Que trazem ensinamentos
Para a lutas que aí virão
Tendo em vista um Mundo novo.
Aquele que nós sonhámos
E muitos irão querer
Porque o futuro é do povo.
Eu penso o mesmo que pensas
E estando do mesmo lado
nesta luta desigual,
Uma certeza nós temos
Ao pensar em Portugal
Em tudo aquilo que fazemos.
Os ideais, o direito e a razão
E é nesse nosso acreditar
Que o lutar faz sentido.
Daqui,  à frente do monitor
Te mando um abraço amigo
Eu cá estarei sempre contigo
Nas “lutas” que hão-de vir.     
E com crer, avante camarada
Que um homem sem ideais 
NESTA VIDA NÃO É NADA! 
ARFER

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

ÉVORA- CIDADE MUSEU - O FILME DA SEMANA.

ÉVORA - CIDADE PATRIMÓNIO MUNDIAL - COM MAIS DE 2000 ANOS DE HISTÓRIA . É TESOURO A PRESERVAR E CONHECER. VÃO ATÉ LÁ!!!!
ESTE É O "FILME DA SEMANA" !

terça-feira, 22 de agosto de 2017

LISBOA - O "FILME" DA SEMANA


Numa ida a LISBOA “encontrei-me com esta exposição e lembrei-me deste “escrito” feito há uns anos.

A SOPA
A sopa é acessível a todos e benéfica, tanto no que diz respeito ao Físico, mas também pela “mensagem” que nos traz.
 LEMBREI-ME DESTA MENSAGEM : - (“COMIDA SIM, BOMBAS NÃO”)! Que nos dá mostra da importância da sopa enquanto alimento quase completo (diz o povo) e de fácil digestão, em comparação com as balas e bombas de ingestão rápida e morte súbita ou a prazo.

Se uma granada de mão equivalerá, no custo, a umas trezentas sopas, um míssil balístico daria para produzir uns milhões de pratos a transbordar deste suculento bem alimentar.

Agora, pensando em “MACRO” já que o “MICRO” foi atrás descrito, pensem bem, da importância desta iniciativa de voluntariado puro, no seu significado e na mensagem que ela nos traz,

Pensem !!! : 10% dos gastos mundiais em bombas, material bélico e quejandos dariam, decerto, para alimentar os muitos milhões de cidadãos que neste MUNDO passam fome e comeriam uma SOPINHA, de boa vontade e em PAZ.

ARFER

sábado, 1 de julho de 2017

BIBLIOTECA - UMA JANELA ABERTA PARA O FUTURO!



              BOA TARDE! NÃO ME ESQUECI!!

HOJE, UM DE JULHO, É O DIA DAS BIBLIOTECAS!

"MAS LOUVE-SE O LIVRO E A MAGIA QUE ELE CONTÉM, A PALAVRA QUE ELE NOS TRAZ, AQUELE SENTIMENTO DE PARTILHA E CUMPLICIDADE QUE NOS TRANSMITE QUANDO O FOLHEAMOS. TRANSMITIR ÀS NOVAS GERAÇÕES O VALOR DO LIVRO É UMA RESPONSABILIDADE QUE NOS CABE.

VIVA O LIVRO, O LEITOR E O AUTOR, GÉNIO CRIADOR DE ESCRITOS QUE NOS TRANSMITEM CONHECIMENTO, NOS FAZEM SONHAR E POR VEZES VOAR NUM INFINITO MÁGICO.”

A propósito, encontrei a BIBLIOTECA e perguntei:

- QUEM ÉS TU BIBLIOTECA??

- Eu sou a guardiã do passado, do presente e do futuro.

Tenho no meu seio, as Memórias dos Homens, o seu imaginário criador da esgrima da palavra, em prosa e poesia.

Guardo dicionários de todas as línguas, enciclopédias e livros temáticos das ciências e artes.

Sou um elo da transmissão do SABER e da CULTURA, alimento regenerador e formador de gerações. O meu conteúdo é o “adubo” que fortalece o HOMEM face aos “ditadores de vão de escada” e de todos aqueles que fomentam a ignorância , tendo em vista a dominação e usurpação da LIBERDADE dos povos.

A CULTURA E O SABER SÃO SINÓNIMO DE LIBERDADE.

- Sabes, disse-me a BIBLIOTECA, agora tenho a minha irmã digital que chega a todos os cantos do MUNDO e me tem ajudado neste “trabalho” incessante, de séculos, que vai resistindo aos que aqui e ali, em diferentes épocas mandaram destruir algumas “células” do meu corpo.

Mas nós resistiremos e em cada canto do PLANETA AZUL HÁ E HAVERÁ SEMPRE UMA BIBLIOTECA QUE ESPERA POR TI !!!                                                                                                       
ARFER

sábado, 17 de junho de 2017

SARAMAGO - O HOMEM E A PALAVRA - RECORDAR!




PARA QUE AS MEMÓRIAS FLORESÇAM

O HOMEM E A PALAVRA - SETE ANOS DEPOIS

 "Conheces o nome que deram, não conheces o nome que tens".  "Livro das Evidências" in "Todos os Nomes"

Palavras ditas em 18 de JUNHO de 2010

MORREU JOSÉ SARAMAGO Mas ficará sempre entre nós, O comunista convicto, HOMEM do POVO Que tudo fez e desde sempre lutou Para ver o seu Portugal, um país novo. Gostava de CAMÕES e dos poetas da Liberdade, Amado por muitos, ostracizado por alguns Nunca baixou a guarda na defesa da Verdade. Aqueles que desdenharam o seu valor, apresentam, hoje, sentidos pêsames vazios de sentimento. O HOMEM DA “Jangada de Pedra” que uniu os povos das margens do grande Oceano, respirou hoje pela última vez e, decerto, a sua última vontade foi a de seguirmos o seu ideal. O MUNDO FICOU MAIS POBRE. Em vez de ADEUS, um ATÉ JÁ !!! ARFER

 

PALAVRAS DITAS (Moita -2012) 

A DANÇA É VIDA
Neste palco do MUNDO
Em que todos somos atores.
Na dança dos sonhos
Só se erguem HOMENS de sonho,           
Na lucidez da sua cegueira,
Na dureza do seu caráter,
Nas palavras do seu Evangelho.
E na corrente da limpidez da sua PALAVRA
Carregada de sabedoria                                
Levar-nos-ia na “Jangada de Pedra”
Comandada por bom timoneiro
Ao encontro da “Ilha dos Sonhos”
Onde todos os homens e mulheres
Seriam livres e “Levantados do Chão”.       
Nessa sua “Ilha desconhecida”
Em que múltiplas gentes
De todos os continentes,
Numa sinfonia multicultural,
Fariam dela a sua PÁTRIA.                       
  
Nela honrariam a língua que os unia
Numa dança e num canto de louvor à LIBERDADE.
Por ela derramariam o seu “sangue”,
Pela igualdade no direito e no dever.
No sonho que nele habita                          
    
Dessa tal “Ilha encantada«
Em que o SER dignifica
E o TER não lhe diz nada

ARFER - 2010

E o HOMEM disse:-
“ … Negar a minha Pátria é como rejeitar o meu próprio sangue…”
E o HOMEM interroga:
“ … Como é que se pode não pertencer á língua que se aprendeu,
A língua com que se comunica, neste caso a língua com que
se escreve?? …”

 "Livro das Evidências" in "Todos os Nomes"

Há na memória um rio onde navegam/ Os barcos da infância, em arcadas/ De ramos inquietos que despregam/ Sobre as águas as folhas recurvadas. / Há um bater de remos compassado/ No silêncio da lisa madrugada,/ Ondas brancas se afastam para o lado / Com o rumor da seda amarrotada. / Há um nascer do sol no sítio exacto, À hora que mais conta duma vida, / Um acordar dos olhos e do tacto, / Um ansiar de sede inextinguida. / Há um retrato de água e de quebranto/ Que do fundo rompeu desta memória,/ E tudo quanto é rio abre no canto/ Que conta do retrato a velha história.   JOSÉ SARAMAGO "POEMAS POSSÍVEIS", Editorial CAMINHO, 1981.