Translate

quinta-feira, 27 de junho de 2013

LISBOA - CIDADE MÃE



EXTRACTO DE UMA VIDA.


Na Graça, na prenhe mãe, em alto morro,
Crescendo em seu útero, nunca foi dor.
O rebento foi nascer lá para o Socorro
E hoje escreve e canta, espalha Amor.
Passaram tantos Sóis, desde esse dia,
Na Lisboa qual jardim em que medraste
Cheio de sonhos, de esperança e fantasia,
No canteiro, que era o bairro em que moraste.
Da janela da casa vias o Rio,
As fragatas e as luzes do Barreiro
Ouvias as sirenes do navio,
Nos dias em que havia nevoeiro.
Cresceste e na escola onde andaste
Encontraste o teu primeiro amor
Rosa era o seu nome e nela achaste
O perfume inebriante de uma flor.
O tempo passou e em tal jardim,
Cheiraste o perfume de outras flores,
Belas, lindas, mas mesmo assim
Foste procurando outros amores.
Porem, à tua volta, vias também
Um Mundo pleno de desigualdade,
Mas, onde sempre havia alguém
Que pugnava pela vida em Liberdade.
Se a Liberdade é Vida, tu seguiste
Aqueles que lutavam pelo futuro.
E aí, foi quando decidiste
Trilhar pelo caminho que era mais duro.
Veio a tropa, havia guerra e resistência
Mas ficaste cá, peça de um puzle anónimo,
Que afincadamente combatia, com veemência
Pela Liberdade, na quinta do António.
Amores, foram, vieram tal qual o vento,
Das “Flores”, sentindo o seu perfume, foste feliz.
Delas cuidaste, sendo sempre teu intento
Nunca arrancar nenhuma pela raiz.
E ainda hoje lhes guardas amizade,
Pois sempre conviveste com a verdade.

ARFER