Translate

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

REPÚBLICA ~ 5 DE OUTUBRO


A REPÚBLICA – 5.10.1910 – ACONTECEU
Lembras-te daquele dia
Em que saímos da “Rotunda” de mão dada,
Depois daquela noite de luta e medo
Mas plenos de certezas e confiança?
Sim, sentíamo-nos livres como aves
Voando num céu de esperança.
Dia que já tínhamos partilhado em sonhos.
Estávamos felizes como qualquer criança
Que tinha recebido a mais valiosa prenda.
Descemos a passo estugado a “Avenida”
À qual deste o nome de “Liberdade”.
Passámos pelo “Rossio”, onde a populaça
Vinda da Mouraria, do Castelo, Alfama e Graça,
Formava um Mar de Gente e de Felicidade.
Ao fundo vimos o “Tejo” no seu caminho p’ro Mar.
O Povo em uníssono clamava por Ti.
Para Eles eras a força que os ia libertar
Das amarras da ignorância e da miséria.
Foi um dia dos mais felizes que vivi.
Quanto sentimento nele havia, não mais esqueci
Quando os nossos EUS se uniram pelo elo da verdade.
Na varanda do Município falavam de TI
Ao som da “Portuguesa” e com vivas à Liberdade.
ARFER
HÁ UM ANO ACONTECEU        5 DEOUTUBRO DE 2012 –:


A pátria está em perigo ou o país de “pantanas”, “avisou” sua Exa. o presidente da República Aníbal Cavaco Silva ao hastear a bandeira da REPÚBLICA PORTUGUESA às avessas. Foi ocasional, intencional? A mensagem foi dada. Considerando, porém, a sua intervenção, em voz suave e pausada ao indicar os caminhos da emigração para os jovens e desempregados, como já o tinha feito o 1º e outros ministros, não há dúvida, vós achais que é o caminho para ultrapassar a crise por vós criada essa é a solução encontrada.
Sendo assim, GRATOS A V. EXCELÊNCIAS pela preocupação que o futuro do país vos merece. BEM HAJA !
ARFER
EM 2013 ACONTECEU:
Pois é … o patriarca /”pai” do governo da nação, tinha razão. Muitos milhares de portugueses jovens e menos jovens com maior o menor qualificação, emigraram em busca do “PÃO” que o presente lhes rouba.
A propósito de roubar …. Lembro um caso recentemente noticiado: - Três indiciados e arguidos num processo de “desvio” ilícito de cerca de seis dezenas de milhões de euros (que dariam para financiar a cultura), foram ilibados e absolvidos por o Tribunal, que levou o processo a julgamento, não ter competência para o fazer, com a agravante do dito caso não mais poder ser julgado, noutra instância … Pode-se, isso  sim, alterar contratos legais havidos com trabalhadores e pensionistas, mas em caso algum com entidades privadas (nacionais ou multinacionais), que gerem monopólios inconvenientemente  regulados pelo Estado.
É esta a República que hoje temos.
MAS O POVO TEM MEMÓRIA
ARFER
!