Translate

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

1910 A IMPLANTAÇÃO REPÚBLICA EM PORTUGAL

E ASSIM FOI O DIA 5 DE OUTUBRO DE 1910
A REVOLUÇÃO REPUBLICANA
A  Revolução  Republicana foi há 108 anos.  No verão do ano de 1910 os boatos já corriam a cidade, era um aviso de que a revolução era eminente. Foi de facto uma revolução, a implantação veio depois, a sequência factual das acções desenvolvidas, assim o comprovam. A acção conjunta do povo e das forças militares, tal como tinha acontecido na fundação da 2ª dinastia e recentemente na revolução de ABRIL de 1974, foi fundamental para o êxito desta revolução, mas vamos aos factos que comprovam esta afirmação. A revolta republicana já era prevista no contexto da instabilidade política e social existente. A 3 de Outubro o chefe do governo Teixeira de Sousa deu ordem para que todas as tropas da guarnição da cidade de Lisboa (cerca de 7000 homens ) entrasse de prevenção. Porém, cerca de metade desses efectivos estava destacado em funções de policiamento e repressão no BARREIRO, onde as greves e consequente agitação social se verificava desde o mês de Setembro e, assim, ficaram impedidas de reforçar as forças leais ao rei, situadas na margem norte do Tejo (grande factor influente para o êxito da revolução republicana). No dia 3 de Outubro, a informação de que os navios da marinha de guerra iriam sair a barra e o assassinato de Miguel Bombarda, precipitariam a data da acção. O Almirante Cândido dos Reis (carbonário) chefe militar da sublevação prevista, suicida-se na madrugada de 4 de Outubro, julgando que a revolução tinha falhado. A notícia chega à “Rotunda” cerca das sete horas da manhã, desmoralizados, oficiais vestem-se à civil e abandonam o local, porém o Tenente da Marinha MACHADO  SANTOS, também ele carbonário (Maçon) decide continuar e resistir. O duelo de artilharia entre a “Rotunda” (dos republicanos)  os “Restauradores” e o jardim do “Torel” (dos monárquicos) comandados por Paiva Couceiro, era continuado, com baixas para ambos os lados. Às 16h00 do dia 4, os canhões da monarquia calam-se. Paiva Couceiro recebe uma ordem do general António Carvalhal (seu superior) para retirar para “Sete-Rios”.   Não por incompetência do general, como se veio a verificar posteriormente, com a sua nomeação para chefe da Divisão Militar, pelo Governo da República. Os reforços da província nunca chegaram porque, a “gente – povo – todo o dia” bloqueara as estradas e dinamitara a via-férrea e, a marchar, os reforços nunca chegariam a tempo à capital. Da margem sul, também era impossível a chegada de reforços, já que os navios (“S. Rafael”, “Adamastor” e       “D. Carlos I”) estavam na mão dos revoltosos, comandados por oficiais subalternos, tal como na “Rotunda”. No dia 5, o povo que enchia as ruas laterais à “Rotunda”, junta-se às forças revolucionárias, gritando vivas à República. Machado Santos sentindo o maciço apoio popular que, desmoraliza e confunde as forças do regime, sentiu a revolução ganha e decide entregar o  comando da revolução ao General António Carvalhal. Poucas horas depois era proclamada a República por José Relvas, na varanda dos Paços do Concelho, na Praça do Município e logo após é nomeado um governo provisório.                                    Encontram semelhanças??? A diferença está entre as balas de canhão, o desperdício de vidas e os cravos de MAIO, de resto é em tudo semelhante. Militares e povo anónimo, oficiais subalternos e um ou outro general. Não esquecendo o contributo do Barreiro para o êxito da revolução. VIVA A REPÚBLICA !  - VIVA O BARREIRO!
ARFER